Brazi JN Rapidão
Agradecimentos

Mensagem de agradecimento: a graça do amor Divinal

Por Emanuel Francisco de Sousa Gama Júnior

02/06/2020 18h28
Por: Lameck Valentim

Acreditando que Deus é Amor e que o seu amor se concretiza no mundo pela sua graça abundante manifestada pela ação do Espírito Santo, fomos testemunhas e morada Dele por 365 dias e seremos ainda por mais outros 365 dias, uma vez que em tempos pandêmicos da Covid-19 e, em atendimento às orientações da OMS, da Santa Sé e da Diocese de Oeiras, torna-se incoerente manter a ritualística tradicional da Festa de Pentecostes.

Foram mais de 30 anos de espera e Ele chegou transformando a residência dos cunhados Anchietinha (in memorian) e Célia, num santuário pleno de reservas de fé, de esperança, de gratidão, de luz e conforto.

Não há como mensurar o tamanho da felicidade de ser o Imperador do Divino (não pelo título, mas sim pela bênção concedida)  e de modo indescritível por  tê-lo conosco, pois na medida em que acolhemos este Espírito de Amor, fomos agraciados e agraciamos com solicitude e alegria todos os(as) devotos(as) e grupos de orações  que, em nosso lar, rezaram, cantaram, elevaram preces, agradecimentos, sorrisos,  lágrimas, medos, vitórias e superações.

“Buscai o amor e aspirai aos dons do Espírito Santo” (1 Cor.14,1), foi a temática que inspirou nossa família neste ano, haja vista que, na grandeza da vivência divinal, tornamo-nos mais largos para a abertura do amor que está sendo derramado do céu em nossos corações.

É magistral sentir que o seu amor nos invadiu divinamente em igual proporção: na alegria e na dor, pois a chave da nossa alma e da nossa família foi dada ao Divino Espírito Santo com prontidão e júbilo.  Assim, a porta da nossa casa também era aberta diariamente com regozijo a todos que consideravam aquele espaço como sacrário vivo de fortalecimento e restauração da alma humana.

Infelizmente, por decorrência da pandemia do coronavírus, o Santuário está fechado para visitações, por tempo indeterminado, até a liberação da nossa igreja, todavia, continua repleto de orações, preces e louvores realizados por nossa família em prol do banimento desta tempestade virótica e da plenitude física, emocional e espiritual da humanidade.

Destarte, não somos mais os mesmos, pois fomos abastecidos durante um ano por uma exacerbada aura divinal que nos inspirou, protegeu, acalentou, cuidou e inovou nosso âmago, principalmente diante das imensas dores que tivemos. Quanta gratidão nos define com esse magnânimo tempo de presença divinal e com mais outro ano que sentiremos o fogo abrasador do Espírito de Deus.

Hoje, a emoção que nos invade é indecifrável, pois o arcabouço de sentimentos vividos e experimentados durante essa bendita travessia divinal em nossa vida, bem como da alegria que transborda nosso peito em virtude da permanência da imagem do Divino Espírito Santo em nossa residência, é sublimar.   

E por ser a gratidão o açúcar do amor, agradeço a minha estimada esposa Rita de Cássia que me aliançou na crença a Pentecostes e ao querido filho Cássio Emanuel: fruto desta união.

De modo indescritível, agradeço infinitamente à querida cunhada Célia que se entregou incansavelmente ao zelo e à devoção ao Consolador. Esse agradecimento não cabe em palavras, devido à imensidão do amor e do cuidado dessa fervorosa mulher orante que, juntamente com seus filhos e noras, foram arautos desta inolvidável missão.

Externo os agradecimentos aos meus sogros Anchiêta e Carmosina por me acolherem como filho, aos(às) meus(minhas) cunhados(as), sobrinhos(as), primos(as), a todos os meus familiares e amigos(as), pelo apoio irrestrito.

A gratidão destina-se também aos cunhados Anchietinha e Gilson (in memorian), pelas lições e vivências ímpares de fervor divinal.

E os agradecimentos não cessam,  voltam-se para o nosso bispo Dom Edilson Nobre, para o Pe. Possidônio Barbosa, em nome de quem saúdo todos os padres desta Diocese, aos grupos de orações, aos corais, salmistas, patrocinadores, noitários, equipe de liturgia, de apoio, da Pascom, decoradores (Wellestron, Tontonho, Quitéria, Ceicinha)  e a todos os devotos paroquianos oeirenses (indistintamente) e de outros lugares que muito contribuíram para a realização deste santo momento, visto que não mediram esforços para realizarem um eficaz serviço caritativo. Assim, não citarei nomes, uma vez que a real caridade não requer exposição, somente gratidão.

Que a busca pela graça do amor a Pentecostes nos leve a uma estrada infinita de comunhão com os dons divinais.  Amém! 

Em nome da família Gama Neiva Santos, o meu muito obrigado!

Emanuel Francisco de Sousa Gama Júnior

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias