Samuel Valentim
Brazitaly
Cultura

Legado do grupo Bandolins de Oeiras segue vivo nos jovens da cidade

Grupo formado por cinco senhoras, Bandolins de Oeiras, fundou tradição musicista na cidade que hoje conta com escola e orquestra formada por adolescentes.

20/09/2020 22h08
Por: Lameck Valentim
Fonte: G1Piauí

O bandolim, instrumento com formato de pêra e musicalidade marcante, é personagem de uma história que atravessa gerações de Oeiras, no Sul do Piauí. Tudo por conta do trabalho de cinco simpáticas senhoras, que levaram o nome da cidade e do estado mundo afora, embaladas pelo som do chorinho.

 Nos dias de hoje, apenas duas delas estão vivas, mas o legado delas segue vivo nos alunos da Escola de Bandolins Dona Petinha. O nome da escola foi uma homenagem a uma das fundadoras do grupo, Petrolina do Rego Amorim, que faleceu em 2019, aos 97 anos.

 

Nova geração

 

A escola foi fundada no prédio Major Selemérico, um casarão com mais 175 anos que, assim como os bandolins, faz parte da história do lugar. Herbert Vinícius, que foi aluno de Zezé Mota, uma das musicistas do grupo Bandolins de Oeiras, se tornou professor do local.

Eu tinha 15 anos quando comecei, e fui colocado no grupo. Toquei e viajei com elas em vários festivais. Elas eram adoráveis, tinham paciência... são um patrimônio vivo, um legado na nossa tradição", disse Vinícius.

 Alguns anos depois da fundação, quinze dos jovens alunos da Escola Dona Petinha formaram a Orquestra Bandolins de Oeiras. O grupo já se apresentou em viagens pelo país, e o talento dos jovens foi registrado em um CD, gravado no Teatro Saraiva, na cidade de Parnaíba, em 2018.

"Foi um momento muito marcante para nossa escola de músicos. É a nossa responsabilidade manter esse instrumento vivo em Oeiras", relata o professor.

 

Música no sangue

A tradição musical da cidade de Oeiras é forte, e reconhecida pelos seus habitantes, dos mais velhos até os mais jovens. Por isso, participar da Escola de Bandolins é um orgulho para as famílias, e muitos pais colaboram para a construção dos jovens talentos do município. é o caso da professora Marineide Soares, mãe de Alexandre Augusto, um dos membros da Orquestra Bandolins de Oeiras.

 "A música traz muitos benefícios. Acreditamos que com a música, ele teria liberdade de fazer o que gosta, como também desenvolver algo próprio da nossa cidade", disse Marineide.

 A cultura de bandolins também está presente na vida dos idosos. A aposentada Dona Ana Amélia, de 82 anos, já participou dos grupos musicais Novos Bandolins de Oeiras e Renascença II. Ela foi vizinha e aluna de Dona Petinha. Ela fala com orgulho e saudade da amiga e professora.

O contato com Petinha foi desde que nasci. Há 16 anos que aprendi, toquei em conjuntos com 10 componentes, todos jovens. Eu adoro música, moro sozinha, a música representa a minha vida", contou Ana Amélia.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias