Brazitaly
Covid 19

Três mortes por complicações da Covid são registradas neste domingo, 21, em Oeiras

Uma morte foi pela manhã deste domingo e duas ocorreram no à noite.

22/03/2021 00h52Atualizado há 4 semanas
Por: Lameck Valentim

Este domingo, 21 de março ficará marcado como o dia mais triste da pandemia da Covid 19 em Oeiras. Neste dia, três vidas foram ceifadas em decorrência das complicações da doença.

Os últimos dias, a cidade vive o pior momento neste quase um ano em que os primeiros casos da doença foram registrados, com a alta de casos, mortes em sequência e a completa lotação dos leitos de enfermaria e UTIs destinadas exclusivamente ao tratamento da doença.

As mortes neste domingo foram de duas senhoras idosas, de 84 e 81 anos e um homem de 43 anos, que estavam internados no Hospital Regional Deolindo Couto.

Na manhã do domingo, a primeira morte foi da senhora Maria das Mercês Monteiro Figueiredo, de 84 anos, residente no Conjunto Nogueira Tapety. Ela era portadora de comorbidades e estava internada na UTI do Hospital Regional Deolindo Couto.

Já na noite do domingo, a segunda morte foi da senhora Zulmira Maria de Sousa Dias, de 81 anos e que morava no bairro Rodagem de Floriano. Ela deu entrada na UPA neste domingo e por volta das 20h foi encaminhada para o Hospital Regional Deolindo Couto e morreu por volta das 23h.

Pouco tempo depois da morte desta senhora, morreu Ademir Cândido, de 43 anos. Muito conhecido em Oeiras e chamado de “Demir”, ele morava no bairro Canela e estava internado na UTI do HRDC, onde dava sequência ao tratamento das complicações causadas pela Covid 19, como problemas renais e pulmonares.

Diante da gravidade da situação, Alípio Sady, disse que o Hospital Regional Deolindo Couto chegou ao limite da sua capacidade. "Infelizmente estamos chegando ao limite da nossa capacidade. Tudo o que podemos fazer dentro da instituição estamos fazendo. Precisamos da colaboração das pessoas. Aquelas que podem ficar em casa, que fiquem, respeitem e sigam as orientações sanitárias. As pessoas devem imaginar o quão ruim é perder um parente, uma pessoa querida ou até mesmo a própria vida pela covid-19”, alertou o gestor, que falou sobre a situação caso novos pacientes graves cheguem ao HRDC: “Com 100% de ocupação, não haverá como admitir novos pacientes. Até o momento não houve essa necessidade de não admitir novos pacientes, mas caso aconteça, será sim necessário regular para outros hospitais em outras cidades do estado que disponham de vagas".

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias